Posts

nutrientes para o organismo

Alimentação: O que comer na terceira idade?

Descubra o que é bom adicionar a sua alimentação quando se chega à terceira idade

Uma boa alimentação pode contribuir para prolongar a expectativa de vida, evitar doenças e dar disposição para realizar as atividades do dia a dia. Já falamos aqui no blog que um dos profissionais que devem ser sempre consultados é o nutricionista e você confere aqui por que este é um dos profissionais mais importantes para quem já se adentrou à terceira idade. Hoje, no entanto, iremos te ajudar a entender e reconhecer os melhores nutrientes para serem consumidos na terceira idade. Então, vamos lá, falar sobre esse assunto novamente e trazer conteúdo exclusivo com o tema alimentação para que você entenda um pouco mais sobre isso.

Quando a alimentação é balanceada, evita-se diversos tipos de doenças como: diabetes, hipertensão, acidentes vasculares, a obesidade (que também falaremos futuramente), entre diversos outros tipos de doenças. Isso é possível por que a ingestão de alguns nutrientes auxiliam o corpo a desenvolver suas funções de forma mais efetiva. Mas então, quais são os melhores nutrientes para se consumir na terceira idade?

leite fonte de cálcio

Principal representante do Cálcio

Cálcio: Quando se fala em terceira idade, o primeiro problema que as pessoas pensam é o desgaste ósseo e este é realmente um dos problemas enfrentados por quem está na terceira idade. O principal problema neste caso é por exemplo, o aparecimento da osteoporose (perda acelerada de massa óssea, que ocorre durante o envelhecimento). Incluir na dieta alimentos que contenham cálcio como leite, tofu, brócolis, sardinha, espinafre, semente de gergelim, quinoa, entre outros é fundamental. Eis uma situação importante: quando pensamos no cálcio, realmente pensamos logo nos ossos e na osteoporose, porém, é importante ressaltar que além de estar relacionado ao sistema ósseo, a presença do cálcio é extremamente importante para o funcionamento cardíaco e para a saúde do cérebro. Sendo esse, o nosso primeiro nutriente que deve ser consumido.

 

Zinco: Se o cálcio auxilia no fortalecimento dos ossos, no funcionamento cardíaco e auxilia o cérebro, o zinco faz com que o idoso não perca sua imunidade, que nada mais é, do que a defesa natural do corpo contra vírus e entre outros. O que acontece é que com o passar dos anos, é comum que a pessoa, que está no processo de envelhecimento perca naturalmente a sua imunidade. Justamente por isso, é extremamente recomendável o consumo de alimentos ricos deste nutriente. Estes alimentos são: ostras, camarão, carne de vaca, frango e de peixe, fígado, gérmen de trigo, grãos integrais como o arroz, castanhas, cereais, legumes e tubérculos. Além disso, o zinco tem ação antioxidante, que desacelera o envelhecimento das células. Mas cuidado: o consumo de muitos destes produtos devem ser moderados, como por exemplo, a carne vermelha (carne bovina).

Fibras: Uma das reclamações, que acontecem quando se chega à terceira idade é que o intestino passa a não funcionar como deveria. E realmente, este é um problema que a acontece com a chegada da idade, fazendo com que ocorra mais frequentemente problemas relacionados à constipação intestinal (conhecido também como prisão de ventre). Para auxiliar o intestino neste trabalho, o consumo de fibras se torna fundamental. Encontramos a fibra em vários alimentos como: linhaça, farelo de trigo, farinha de arroz e farinha de aveia que pode ser acrescentados às frutas ou no mingau.

Fontes de Omega3

Peixes são fontes de Omêga-3

Ômega-3: Os chineses e japoneses são considerados mais inteligentes e têm uma expectativa de vida superior a do restante da população em geral. Muitos associam esta situação ao consumo diário, em suas alimentações, essencialmente do peixe. Toda a crença em torno disso, se dá por que o ômega-3 presente nos peixes em geral como sardinha, salmão, atum e, hoje também em cápsulas de óleo de peixe, estimula as células nervosas, prevenindo doenças como: o mal de Alzheimer, Parkinson, depressão, perda de memória. Sendo assim, faz-se importante adotar o consumo deste nutriente na alimentação diária.

Vitaminas do Complexo B e Vitamina D: Vitaminas são extremamente importante na alimentação dos idosos. Estas duas tem ainda um peso maior, pois, enquanto a primeira (Vitamina dos complexo B) atua diretamente no sistema imunológico e no funcionamento do cérebro protegendo os tecidos da oxidação, e auxiliando no metabolismo de carboidratos, proteínas e gorduras, a segunda (Vitamina D) auxilia tanto na absorção do cálcio para agir diretamente no osso (ela ajuda a metabolizar o cálcio ingerido no osso). O consumo dessa vitamina é saudável para a pele e auxilia na absorção intestinal. Entretanto, o consumo exagerado das mesmas podem causar problemas, como mal estar. No caso, de uma overdose do consumo de vitamina do complexo B, pode apresentar desde erupções cutâneas, até elevar a pressão arterial. Enquanto, a Vitamina D em excesso pode gerar no idoso, problemas como: cálculos renais ou constipação intestinal. E isso acontece justamente pela elevada concentração de cálcio no organismo. É possível encontrar a Vitamina do Complexo B em alimentos como peixes, levedura de cerveja, fígado, castanhas, abacate e vegetais verdes, como couve e espinafre e a Vitaminas D pode ser adquirida pela exposição solar ou pelo consumo de cápsulas de óleo de fígado de bacalhau.

Potássio: Vários alimentos conseguem nos prevenir de diversas doenças como a hipertensão, o derrame entre outros. E saber que isto é possível por conta do consumo de alimentos ricos em potássio, faz com que repensamos a nossa alimentação. Para as pessoas que estão na terceira idade, estes elementos se tornam ainda mais importantes, já que é neste momento que estas doenças costumas atacar. Por isso o consumo deste nutriente é tão importante. E apenas para acrescentar, este nutriente ajuda também a combater a prisão de ventre. Os alimentos que são ricos em potássio são extremamente fáceis de achar e pode ser facilmente adicionado no cardápio. São eles: a banana, a soja, o damasco, o abacate, o iogurte, a ameixa, a melancia, feijões e ervilha.

Diante disto, é possível compreender por que uma alimentação saudável na terceira idade se faz tão necessário. A Cuidar Center Care, além de ter profissionais capacitados na área da nutrição, está sempre atenta a qualquer novidade nesta área e orienta e capacita constantemente a sua equipe e os seus cuidadores no suporte, para auxiliar os familiares dos idosos a incluir tais nutrientes em suas alimentações. Hoje em dia, a cada momento, temos a certeza de que para viver melhor e mais é necessário comer bem. Prevenção para uma vida com longevidade saudável e mais feliz, conte conosco para isso.

Consulte seu médico. Nenhuma pesquisa na internet vai substituir a orientação do profissional.

Para saber mais, acompanhe as notícias da Cuidar Center Care para os idosos, familiares e profissionais de saúde aqui no blog e também no Facebook e fale conosco sempre que precisar!

animais-e-idosos

A ajuda de animais na qualidade de vida dos idosos

Veja como animais podem auxiliar no tratamento de pacientes e quais devem ser os cuidados.

 amimais-em-casaAnteriormente, postamos aqui no blog, uma série de textos sobre os profissionais qualificados que, juntamente com a família e o cuidador de idosos, vão melhorar a qualidade de vida dos idosos. São eles: o fisioterapeuta, o fonoaudiólogo, o podólogo e o nutricionista. Nesta nova série sobre o Bem-Estar dos idosos, nós vamos abordar outros temas como vida sexual, doenças psicológicas, como conviver com determinadas doenças crônicas e sempre ressaltando a importância da família e do cuidador para que a vida dos idosos seja sempre a melhor possível! Afinal, estamos falando da melhor idade!

Hoje, vamos abordar um assunto muito interessante que possui estudos comprovados de sua eficiência: o auxílio dos animais na melhora da qualidade de vida dos idosos. Algumas pessoas ainda duvidam dessa eficácia, de como o convívio com animais pode melhorar o tratamento de determinadas doenças e até mesmo fazer com que os idosos se sintam mais motivados e não venham a desenvolver doenças psicológicas, como a depressão entre outros. As dicas aqui dadas, deverão antes de tudo, ser discutidas com os profissionais que estão próximos ao paciente, com o próprio cuidador que estará preparado para administrar o tempo do idoso com o animal e com os diversos familiares. Tudo isso deve ser pensando e preparado, pois, animais também precisam de cuidados específicos. E é importante que todo o conjunto funcione bem, para que os resultados sejam melhores possíveis.

Estudos sobre a melhora da qualidade de vida

companhia-para-o-idoso Os estudos em relação à melhora da qualidade de vida com a presença dos animais não é novidade. Na verdade, já é um assunto discutido e debatido há pelo menos 10 anos, pois, desde então, sempre se encontra uma nova vantagem nesta convivência. Em 2002, um estudo realizado com pessoas de diferentes idades (entre 10 e 90 anos), mediu e comparou a frequência cardíaca e pressão arterial, em pessoas que conviviam com animais e pessoas que não conviviam. E o resultado não poderiam ser outro. Pessoas que tinham convívio com o animal tinham a taxas de frequência cardíaca e a pressão arterial mais baixa que pessoas que não conviviam. Em países como os Estados Unidos, existem sites específicos onde se podem encontrar instituições, que vão ajudar a selecionar o tipo de animal para cada caso de idoso. Eles, além de ajudar a selecionar o tipo de animal, ainda auxiliam na adoção do animal e algumas empresas na adaptação do animal com o idoso.

Aqui no Brasil, mais precisamente na nossa região, não foi encontrada nenhuma empresa com esta proposta. Mas a Cuidar Center Care está sempre atenta a estas novidades e sempre procurando por boas parceiras.

As principais razões para idosos terem contato com os animais

Os estudos sempre se deparam com os mesmos resultados e com as mesmas situações, quando o assunto é a influência dos animais na vida dos idosos. E todas as melhoras explicadas acima se devem justamente pelo envolvimento e pela troca de emoções que acontece entre os animais e os idosos. Vamos citar aqui 5 benefícios de se estar em contato com o animalzinho.

Companhia

Mesmo com o cuidador de idoso presente e com toda a família dando o apoio, em muitos casos o idoso pode se sentir sozinho e acabar desenvolvendo um quadro de solidão e depressão. A presença de um cão, por exemplo, pode ser o instrumento necessário evitar este tipo de acontecimento e alegrar a vida do idoso. Tudo isso acontece por que os cães nunca estão indisponíveis ou fora do seu horário de serviço. Além disso, ter um cão pode ajudar a moldar uma rotina e ajudar a melhorar a personalidade do paciente.

Ter uma rotina

Em casos em que o idoso esteja sofrendo de doenças que afetam a memória como o Alzheimer, ter uma rotina específica e que o ajude a associar horários com “deveres”, faz com que este responda melhor ao tratamento. Cuidar de um cão, por exemplo, não é algo tão complicado e ajudará a criar esta rotina.

Exercícios

Independentemente de qualquer idade ou situação, fazer exercícios regulares, faz do conjunto das regras para manter a saúde em dia, a presença de um animal, principalmente cachorros, auxiliam nesta tarefa. As vezes nem precisa sair da própria residência para fazer esta atividade, o próprio quintal de casa é um ótimo lugar! E os animais adoram!

Redução de Estresse

Idosos que possuem animais em casa, são menos estressados. Isto é comprovado cientificamente   em um estudo realizado com idosos que possuem um animal e que não possuem. O motivo desta redução de estresse ainda não foi solucionado, mas, pode ter várias razões, como a necessidade do exercício físico para ambos, ou a sensação que o idoso tem de ter um amigo para desabafar e enfrentar todos os desafios que a vida pode propor. Ou simplesmente seja a cauda abanando todos os dias quando você acorda.

Sensação de Segurança

Cachorros passam segurança, e esta sensação de que além do cuidador e da família, existe um guarda que está sempre disponível, faz com o que o idoso se sinta mais seguro. E isso acontece, mesmo que o seu grande guarda pese apenas 1 quilo.

Tudo precisa ser planejado

Ter um animal faz com que o idoso se sinta importante novamente e o animal demonstra isso de diversas maneiras. Entretanto, para que o animal seja o instrumento para o tratamento, é importante que a família discuta a ideia com o cuidador, para que juntos possam montar um plano, para que esta vantagem seja realmente uma vantagem e não mais uma situação na vida da família. Às vezes, nem é preciso que o animal more junto com o idoso, apenas algumas simples visitas já podem fazer uma grande diferença no que se refere ao bem-estar dele.
segurança-para-o-idosoAlém disso, é importante que exista empatia entre o idoso e o animal, fazendo-se necessário antes de tudo conhecer a personalidade do idoso e saber suas preferências e seus gostos.

 

A Cuidar Center Care está sempre atenta a estas situações, pois, acima de tudo, buscamos o que a própria família busca: qualidade de vida para o paciente. Mas lembre-se, antes de adotar, comprar ou receber visitas de um animal consulte seu médico a respeito disso, cada caso é um e este texto não substitui a orientação do seu médico.

Para saber mais, acompanhe as notícias da Cuidar Center Care para os idosos, familiares e profissionais de saúde aqui no blog e também no Facebook